Reunião para tratar do fornecimento de água e cobrança de tarifas na Vila da Glória.

Reunião para tratar do fornecimento de água e cobrança de tarifas na Vila da Glória.


Publicado em: 18/09/2017 19:18 | Fonte/Agência: Câmara Municipal | Autor: Câmara Municipal

 

No dia 11 de julho, o SAMAE, representado pelos Srs. Hilton Rodrigo Schetz, Diretor Presidente e Fabrício Brehnn Martins, Coordenador Geral, participaram a convite, de uma reunião na localidade da Vila da Glória sobre o fornecimento de água e cobrança de tarifas daquela localidade.
Na oportunidade os presentes fizeram algumas reivindicações e solicitações, como:
  1. Criação de um ponto de atendimento da empresa Águas de São Francisco do Sul para atender as demandas sobre dúvidas, reclamações e orientações acerca das cobranças das tarifas;
  2. Solicitação de esclarecimentos do motivo da não entrega da fatura em algumas residências onde o leiturista faz leitura do hidrômetro, porém não deixa a fatura, o que gera preocupação de que a cobrança acumule com o valor do mês subsequente;
  3. Implantação, para a comunidade da Vila da Glória, de uma taxa mínima permanente, sem cobrança de excedentes;
  4. Suspensão das cobranças até que todas as casas estejam ligadas à rede e os hidrômetros instalados, incluindo a localidade do Estaleiro/Frias (“justificativa” abaixo);

Dentre os assuntos mais relevantes e discutidos, temos a cobrança da tarifa de fornecimento de água. Segundo a comunidade local, quando do início das instalações dos hidrômentros, a concessionária Águas de São Francisco do Sul informou a população que as cobranças somente teriam início após todas as casas estarem com hidrômetros instalados, o que não está ocorrendo. Levantou-se, também, questionamentos sobre o motivo de haver instalações de hidrômetros em algumas casas e em outras, que são próximas ou até vizinhas, não. Qual o critério para essas instalações, haja vista possa estar ocorrendo favorecimento indevido para alguns moradores: enquanto os moradores que já possuem o equipamento instalado são obrigados a pagar, outros que não possuem, não o são.
Por fim, considerando as situações levantadas e reivindicações da Comunidade do Distrito do Saí, o SAMAE solicitou um pronunciamento da empresa concessionária.